domingo, 14 de Março de 2010

Fernando Pessoa/ Ricardo Reis - "Põe quanto és no mínimo que fazes"

.
Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.
.
Odes/ Ricardo Reis

17 comentários:

T.Mike (Miguel Gomes Coelho) disse...

Espendido!
Um abraço, Maria Josefa.

Manuela Freitas disse...

Olá Josefa,
Muito conhecida esta poesia, mas eu associei-a logo à mediocridade que grassa por aí e está tão em evidência!?...
Beijinho,
Manuela

Rudolfo disse...

"Sê todo em cada coisa. (...)"

O homem vertical, consciente de si e zeloso no dever de fazer bem. Uma síntese de um príncipio de uma cultura da competência.

Mensagem para estes cinzentos dias que passam, portanto.

Muito boa semana de trabalho para si, Josefa, naturalmente em paz e com muita saúde

Rudolfo Wolf

Maria Josefa Paias disse...

.
Também o achei magnífico, Miguel, e encorajador para o que tento ser.

Obrigada e um abraço.

Maria Josefa Paias disse...

.
É verdade, Manuela.

Quando lemos sobre o modo como deveríamos ser, surge-nos de imediato o seu oposto, e ainda bem que assim é porque a diferença fica muito mais clara bem como a escolha da atitude que valorizamos mais.

Obrigada e beijinho.

Maria Josefa Paias disse...

.
Muito obrigada, Rudolfo.

Também me pareceu, além da beleza poética, muita adequada às exigências prementes a que cada um de nós deve obedecer se queremos uma sociedade de pessoas competentes.

Paz e saúde para si também.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Maria Josefa ... muito bom, e ainda por cima serviu-me como que de alerta para uma situação actual que estou a passar.
Obrigado

Maria Josefa Paias disse...

.
Eu é que agradeço, Eduardo. Já estava a sentir a sua falta por aqui e ainda bem que pude ser útil se bem que através de Ricardo Reis (Fernando Pessoa).

Um abraço e tudo de bom para si.

Ana Paula Sena disse...

É um pequeno poema magnífico, dos que sempre relembro como lema para a vida. Não vale ser só por partes, se tivermos a autenticidade como horizonte de referência.

Beijinhos, Josefa :)

Mar Arável disse...

Boa memória

Maria Josefa Paias disse...

.
É isso mesmo, Ana Paula. A exigência deve começar em nós e para nós mesmos.

Obrigada e um beijinho:)

Maria Josefa Paias disse...

.
Muito obrigada, Mar Arável.
É sempre um prazer a sua visita.

Um abraço.

Rudolfo disse...

Diz bem, Josefa, além da beleza poética que até é uma constante de deslumbramento em praticamente todo o Ricardo Reis.

Haja paz e saúde para si,

Rudolfo Wolf

partilha de silêncios disse...

Olá Josefa,

É sempre bom relembrar.

"põe quanto és no mínimo que fazes"

um beijo

Maria Josefa Paias disse...

.
Olá "partilha de silêncios",

Muito obrigada pelo seu comentário.

Beijinho e bom fim-de-semana:)

Paulo Lobato disse...

Maria Josefa, gosto tanto deste poema que gostava que me permitisse a ousadia de o replicar lá no meu sítio.
um abraço

Maria Josefa Paias disse...

.
Paulo,

Fico muito feliz por ter gostado desta minha escolha e Fernando Pessoa (Ricardo Reis) fica muito feliz em que o publique também no seu espaço [isto foi o que ele me disse, porque tenho uma linha directa e confidencial para ele e falamos muito um com o outro:))].

Um abraço e bom fim-de-semana.