sábado, 30 de janeiro de 2010

Fernando Pessoa/Alberto Caeiro - "A espantosa realidade das coisas"

A espantosa realidade das coisas
É a minha descoberta de todos os dias.
Cada coisa é o que é,
E é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra,
E quanto isso me basta.
.
Basta existir para se ser completo.
.
Tenho escrito bastantes poemas.
Hei-de escrever muitos mais. Naturalmente.
.
Cada poema meu diz isto,
E todos os meus poemas são diferentes,
Porque cada coisa que há é uma maneira de dizer isto.
.
Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
Não me ponho a pensar se ela sente.
Não me perco a chamar-lhe minha irmã.
Mas gosto dela por ela ser uma pedra,
Gosto dela porque ela não sente nada.
Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.
.
Outras vezes oiço passar o vento,
E acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.
.
Eu não sei o que é que os outros pensarão lendo isto;
Mas acho que isto deve estar bem porque o penso sem estorvo,
Nem ideia de outras pessoas a ouvir-me pensar;
Porque o penso sem pensamentos
Porque o digo como as minhas palavras o dizem.
.
Uma vez chamaram-me poeta materialista,
E eu admirei-me, porque não julgava
Que se me pudesse chamar qualquer coisa.
Eu nem sequer sou poeta: vejo.
Se o que escrevo tem valor, não sou eu que o tenho:
O valor está ali, nos meus versos.
Tudo isso é absolutamente independente da minha vontade.
.
de Poemas Inconjuntos/Alberto Caeiro

9 comentários:

T.Mike (Miguel Gomes Coelho) disse...

Maria Josefa,
Bom dia.
Que maravilha acordar e ler este magnífico poema.
Obrigado.
Um abraço.

Benjamina disse...

Josefa
Concordo com o Miguel. Obrigada.
Um beijinho

Carlos Pires disse...

Julgo que este poema de Charles Reznikoff exprime um sentimento semelhante:

TE DEUM

Not because of victories
I sing,
having none,
but for the common sunshine,
the breeze,
the largess of the spring.

Not for victory
but for the day's work done
as well as I was able;
not for a seat upon the dais
but at the common table.

Maria Josefa Paias disse...

Bom dia, Miguel, e obrigada.
Depois da nossa troca de impressões sobre as duas Odes de Ricardo Reis achei oportuno publicar este poema de Caeiro onde se continua a verificar a sua alegria pelas coisas simples da vida, por aquilo que os seus olhos vêem.
Um abraço.

Maria Josefa Paias disse...

Obrigada, Benjamina.
Um beijinho :)

Maria Josefa Paias disse...

Carlos Pires, muito obrigada.
Não sei se poderia ter escolhido melhor como aproximação a Caeiro. Excelente!
Um abraço.

Mar Arável disse...

A espantosa realidade

dos infinitos

Bj

partilha de silêncios disse...

Josefa,concordo com Caeiro, para todos a espantosa realidade das coisas deveria ser a descoberta de todos os dias.
bjs

Maria Ribeiro disse...

MARIA JOSEFA PAIAS: é lindo este seu divulgar a obra de Pessoa! Quantas vezes li este poema com os meus alunos!
BEIJO DE
LUSIBERO